28/11/2013

Preparem seus casacos: cientistas russos preveem início de nova era glacial



Pesquisadores afirmam que a partir do ano que vem a temperatura no planeta deve entrar em uma fase de queda gradual

 
Se você adora sol, calor e praia, não vai gostar muito da previsão apresentada por uma dupla de cientistas russos do Instituto Gazprom VNIIGAZ. De acordo com a Global Warming Policy Foundation, Rauf Galiulin e Vladimir Bashkin afirmam que no ano que vem a Terra entrará em uma fase de queda gradual de temperatura que deve culminar dentro de um período de 50 anos, resultando em uma nova era do gelo. Segundo a publicação, os pesquisadores afirmam ainda que, ao contrário do que ditam todas as teorias relacionadas ao aquecimento global, a ação dos humanos exerce pouca influência sobre o clima do planeta. Conforme explicaram, a variação da temperatura estaria associada aos ciclos de atividade solar, que devem sofrer uma redução.
A nova “era do gelo” dever ter início em 2014, com uma queda de temperatura bem lenta em um primeiro momento. No entanto, depois de algumas décadas, a diminuição será mais ativa. Por certo, de acordo com uma matéria publicada pelo Times, a baixa atividade do ciclo solar atual — o chamado “Ciclo 24” — vem deixando alguns cientistas intrigados, além de despertar questões sobre quais podem ser as consequências disso para o nosso planeta.

Calmaria solar

Fonte da imagem: Reprodução/Discovery News


Os ciclos solares têm duração de aproximadamente 11 anos, e os períodos de atividade mais intensa são marcados pelo surgimento de manchas solares. Além disso, normalmente ao final do ciclo ocorre a inversão dos campos magnéticos do Sol, quando se observa uma mudança de polaridade — quase sempre simultânea — entre os hemisférios Norte e Sul. Durante a inversão, a força do campo magnético fica perto de zero, voltando ao normal depois da troca.
Contudo, os astrônomos observaram algo diferente neste ciclo. A polaridade do hemisfério Norte sofreu inversão há vários meses, apresentando, portanto, a mesma polaridade do que o hemisfério Sul. E mais: a incomum calmaria observada na superfície do Sol durante este último ciclo — com um número de manchas inferior à metade da média registrada nos últimos 250 anos! — levou alguns cientistas a sugerir que este pode ser o início de um período de baixa atividade.
De acordo com o Times, a última vez que isso aconteceu foi entre os anos de 1650 e 1715, durantes os quais quase nenhuma mancha solar foi observada. Coincidentemente, nesse período ocorreu uma drástica queda das temperaturas no planeta, provocando o que ficou conhecido como a “Pequena Era do Gelo” na Europa e América do Norte. Estariam os cientistas russos corretos em sua previsão?
Polêmica
Fonte da imagem: Reprodução/Discovery News
Para os pesquisadores russos, que afirmam que o aquecimento global não é resultado de atividades humanas, toda a polêmica sobre as mudanças climáticas não passa de exagero e de pura conspiração. Conforme alegam, o objetivo é o de desacelerar o consumo de gás natural, carvão e petróleo — três combustíveis essenciais em nossas vidas — para que, então, se possa controlar o seu preço de mercado.
Aliás, Galiulin e Bashkin não são os únicos a defender essa teoria, e declarações semelhantes foram feitas por outro cientista russo — Jabibula Absusamatov, membro da Academia Russa de Ciências e diretor do setor de Investigações Espaciais do Observatório de Pulkovo —, que alertou que a diminuição de temperatura provavelmente afetará a todo mundo.
Os defensores do aquecimento global também acreditam que a baixa atividade solar possa afetar o clima do planeta, embora não pensem que estamos prestes a testemunhar uma nova era do gelo. Afinal, para eles, apesar de o ritmo aparentemente ter caído, as temperaturas não param de subir.

Fonte: Global Warming Policy Foundation RT Times Discovery News

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário